Alagoas:Museu retrata participação brasileira na 2ª Guerra Mundial

 

A história da participação das Forças Armadas brasileiras na 2ª Guerra Mundial, principalmente através do Exército, está preservada em Alagoas no Museu localizado na Praça Olavo Bilac, no Centro da capital. O Museu foi criado em 14 de Março de 1996 pela Major Elza Cansanção de Medeiros, onde são guardados uma grande quantidade de informações sobre o fato histórico, e fica localizado dentro da sede da 20ª Circunscrição Militar (CSM), que ocupa o Forte de São João, desde o ano de 1967.

O Forte foi construído em 1820 pelo Tenente Coronel Sebastião Francisco de Mello Povoas, então governador da Capitania das Alagoas, objetivando proteger o litoral alagoano da cobiça internacional.

O conflito iniciou-se em 1939, quando a Alemanha invadiu e anexou o território polonês. Os americanos entraram na guerra em 1941, quando os japoneses bombardearam a base naval de Pearl Harbor. Já o Brasil só entrou na guerra em 1944, ao ter 33 navios mercantes torpedeados por submarinos nazifascistas (alemães e italianos), quando o governo brasileiro enviou 25.534 combatentes, tendo perdido 3.238 soldados durante o combate.

Historiadores da 2ª Guerra, ocorrida entre 1939-1945, afirmam que esse foi o conflito em que ocorreu o maior número de mortes na história da humanidade, onde mais de 50 milhões de pessoas foram assassinadas e 28 milhões foram mutiladas, entre militares e civis.

Entre 10 e 12 milhões de pessoas morreram com fome, pelo gás ou por esgotamento físico, devido aos maus tratos e ao trabalho forçado a que foram submetidos. Outros tantos milhões sofreram traumas psíquicos.
Acervo do Museu e Horário da Visitação

O Museu possui em suas instalações objetos como capacetes de combate de diversas nacionalidades, máscaras anti-gás, centrais telefônicas, telefones de combate utilizados durante as ações, remédios, cintos suspensórios, jaquetas de inverno, armas, distintivos, patentes, medalhas, condecorações, fotografias, uniformes utilizados pelos combatentes das forças armadas brasileiras, bandeira do nazismo apreendida pela tropa brasileira, detectores de metal, minas terrestres, flâmulas de reconhecimento de cada cidade em que a tropa brasileira passou que foi acompanhado de um diário das ações dos combatentes brasileiros e guia de pronto-socorro.

A memória do Brasil na 2ª guerra contida no Museu contribui de forma significativa para as pessoas que têm interesse em conhecer esse período da história. Muitos alagoanos não conhecem esse Espaço Cultural, que é visitado por estudantes, turistas e moradores de bairros vizinhos.

O Museu da Guerra funciona de segunda à quinta-feira, das 9h às 11h30 e das 13h30 às 16h30 e nas sextas das 8h30 às 11h.
 

Comentários