POLÍTICA

Vereador denuncia prefeitura por crime ambiental e acaba com mandato cassado

Mima diz que é vítima de perseguição e revela esquema de corrupção entre prefeito e vereadores.

POR: Berg Morais
Vereador Mima teve seu mandato cassado.
Redes sociais

O vereador pelo município de São Brás, Mima (PDT), acabou perdendo o mandato após apresentar denúncias de irregularidades contra a gestão municipal. O ex-parlamentar revelou ao Portal 7segundos um suposto esquema de perseguição política entre membros do Legislativo e do Executivo que resultou na cassação do cargo que foi lhe confiado através de voto popular.

“Fui cassado por não aceitar o dinheiro sujo da corrupção do prefeito e seus aliados”, diz Jaelson dos Santos Silva, o Mima. Ele afirma ainda que foi o responsável pela denúncia de crime ambiental contra a prefeitura de São Brás.

No mês de fevereiro, uma fiscalização do IMA constatou a falta de licença ambiental e o descarte irregular de resíduos sólidos do Hospital Dr José Vanderlei Neto, que é de responsabilidade da prefeitura. Segundo o IMA, o lixo hospitalar era despejado numa vala aberta que ficava nos fundos do hospital, contaminando o solo e colocando em risco a saúde de moradores que utilizam dos serviços da unidade hospitalar.

Pelas infrações, a prefeitura recebeu uma multa superior a R$ 305 mil. O fato deixou o prefeito Marcos Sandes (MDB) irritado e o provocou a articular junto com alguns vereadores um suposto esquema para a cassação do mandato do vereador que o denunciou.

Segundo Mima, ele recebeu e negou diversas propostas vantajosas. “Devolvi uma diária no valor de 500 reais que entrou em minha conta. Como eu descobri porque fui avisado pelo ex-vereador Adriano. Essa misteriosa diária apareceu sem eu ter viajado muito menos solicitado”, revelou.

O ex-vereador revelou ainda que oito vereadores estariam insatisfeitos por ele ter descoberto a farra com as diárias. “A Câmara de São Brás está sendo investigada por diárias falsas e funcionários fantasma. Todos os funcionários e vereadores foram ouvidos pelo delegado que preside o inquérito”, explica.

Por fim, Mima desmente as denúncias atribuídas a ele e reafirma a perseguição que tem sofrido no município. “Sou pai de família, tenho mãe, irmãos. Sou policial civil. Esse negócio de processo é umas das matérias compradas pelo prefeito e alguns vereadores que eu faço oposição”, conclui.

Segue a nota da Câmara enviada ao 7segundos:

A Câmara Municipal de São Brás/AL, na pessoa de seu Presidente, vem, por meio desta, manifestar-se, acerca do conteúdo da reportagem veiculada no sítio, que trata de suposta perseguição política suportada pelo Ex Vereador, Jaelson Dos Santos Silva, o Mima.

Acontece que, diferentemente do que fora transmitido, houve processo disciplinar instaurado em 23/12/2019, o qual, após todo o seu transcorrer, sendo respeitados os postulados da ampla defesa e contraditório, chegou-se ao resultado, que foi a cassação do vereador, em razão de ter praticado atos incompatíveis com o decoro, quais sejam: arremessou dinheiro na mesa diretora, em plena sessão, e; agrediu cidadão de São Brás, alegando que o estava fazendo, por ser vereador. Tais atos, foram avaliados, no último dia 20/03/2020, e, à unanimidade, os vereadores decidiram pelo afastamento definitivo do Sr. Jaelson dos Santos Silva. Não há o que se falar em perseguição política, pois o Vereador, vinha tratando de maneira desrespeitosa, indo de encontro ao que dispõem o Regimento Interno da Câmara, a Lei Orgânica Municipal, o Decreto Lei 201/1967 e a Constituição Federal. Sendo assim, está cada legislativa vem repudiar as palavras do Ex Vereador, ao tempo que pede a este veículo de imprensa que conceda espaço e divulgação, tal e qual fora oportunizada na matéria acima elencada. Agradeço, desde logo.

Antônio Bezerra Filho - Presidente da Câmara Municipal de São Brás/AL

perseguição Política São Brás

Veja Também

Comentários