Mata Grande

Família quer justiça pela morte dos irmãos Batalha: "animal foi pretexto"

Emboscada teria sido premeditada pelos acusados, de acordo com parentes

POR: 7Segundos
Gastão Pereira é acusado de receber vítimas à bala após matar vaca de Manoel Messias
reprodução

Dor, revolta, medo. É assim que a família Batalha, do povoado Santa Cruz do Deserto, em Mata Grande, se sente deste a morte dos irmãos Manoel Messias Batalha da Silva, 49, e Gilberto Batalha da Silva, 40, ocorrida no último dia 13 de fevereiro, em decorrência de uma rixa com a família Pereira, que mora na mesma comunidade rural.

"Eles articularam tudo. Mataram a vaca para matar o dono. O animal foi apenas o pretexto, porque sabiam que os irmãos iriam tirar satisfação pelo ocorrido", afirmou um membro da família, que pediu para não ter o nome revelado.

De acordo com o parente, há 12 anos atrás Antônio Marcos Batalha da Silva, que presenciou o assassinato dos irmãos e foi ferido a facadas teve uma forte discussão com Gastão Pereira, acusado do duplo homicídio junto com os filhos Jamerson e Janiel Pereira. A briga foi motivada também por um animal, só que dessa vez teria sido uma cabeça de gado de Gastão que teria invadido a propriedade e comido palma da roça de Antônio Marcos, que exigiu pagamento.

"Desde esse dia, os dois eram intrigados, mas os outros demais membros da família se tratavam cordialmente. Tanto que um dia antes do crime, Gilberto e um dos acusados conversavam normalmente sobre política. No dia seguinte, essa mesma pessoa foi quem primeiro atirou no Gilberto", relata. 

Na região, segundo o parente das vítimas, Gastão Pereira é conhecido por matar animais que invadem sua propriedade, seja cachorros de rua, ou mesmo jumentos, gados ou caprinos que pertecem a outros moradores da região. No dia 13 de fevereiro, Manoel Messias encontrou uma de suas vacas mortas próximo ao cercado da propriedade de Gastão. O animal teria, por cima da cerca, comigo alguns galhos e folhas de macaxeira.

Manoel Messias, então, resolve ir até a casa do Gastão. Os irmãos dele, José Luiz Batalha da Silva e Gilberto Batalha da Silva, resolveram acompanhá-los. "Já para evitar que acontecesse uma briga entre eles", afirma o parente. Um deles ainda levou o filho de 11 anos junto e os três irmãos estariam desarmados.

"O único que estava armado era o Antônio Marcos, isso porque ele tinha ido para o cercado pinicar palma. Ele vai, acompanhado pelo filho de 7 anos, para ver a vaca que tinha sido morta. Mas não deu tempo, quando chega na frente da casa do Gastão já encontra os irmãos dele sendo recebidos a tiros", relata.

Neste momento, ele conta que Gilberto levantou as mãos, dizendo que podiam tentar resolver a situação sem violência. Mas Gastão já deflagrava tinos na direção de Manoel Messias. Em seguida, os filhos dele saíram de dentro da residência, armados de espíngarda e com cinco de munições, e continuaram atirando na direção das vítimas. José Luiz Batalha da Silva conseguiu correr e escapou ileso. 

Antônio Marcos chega em seguida e entra em luta corporal com um dos filhos do Gastão, no momento em que ele carregava a espingarda, mas é atingido por facadas nas costas e na cabeça deflagrada pelo outro filho. Uma dessas facadas chegou a perfurar o pulmão. Ele foi socorrido com vida e levado para o hospital de Mata Grande. De lá, foi transferido para o Hospital Clodolfo Rodrigues, em Santana do Ipanema.

Manoel Messias e Gilberto Batalha são alvejados com vários tiros. Quando os corpos deles já estavam caídos no chaão, os acusados teriam se aproximado e ainda "sangraram" Gilberto, depois de morto. Em seguida, deram várias facadas e quebraram o braço de Manoel Messias, para ter certeza de que ele estava morto.

Toda a barbárie foi presenciada pelos dois meninos, de 7 e de 11 anos, filhos das vítimas. Eles sem ferimentos, mas de acordo com a família estão ainda em estado de choque. Após o crime, os três acusados fugiram e não foram mais vistos na região.

"Os parentes dele disseram para a polícia que os irmãos tinham ido para lá armados, mas isso não é verdade. Eles foram tirar satisfações na inocência, tanto que levaram crianças junto com eles. Só o Antônio Marcos que chegou no local com uma faca e isso, só porque ele estava picando palma. Se os irmão tivessem armados, pelo menos um deles teria sido ferido", argumenta. 

Após o crime, a Polícia Civil esteve na residência dos acustos e encontrou várias armas de munições. Além de cartões bancários e documentos que pertencia a um dos filhos de Gastão Pereira, que estaria envolvido com agiotagem.

A reportagem tentou entrar em contato com o delegado Thales Araújo, que está presidindo o inquérito sobre o caso, nesta quarta-feira (26), mas sem sucesso.

Galeria de Fotos


7Segundos animal Antônio Marcos Batalha Duplo Homicídio emboscada Família Batalha Família Pereira Gastão gilberto Invasão Jamerson Janiel José Luiz Manoel Messias Mata Grande Pereira pretexto Santa Cruz do Deserto Sertão vaca

Veja Também

Comentários