Caso Vandiele

Defensoria Pública confirma soltura de acusado do assassinato de professor

Pedido de revogação de prisão foi feito devido demora na conclusão do inquérito policial

POR: 7Segundos com Assessoria
Vandiele da Silva Araújo foi encontrado morto com uma faca no pescoço dentro da própria residência
Reprodução vídeo

A Defensoria Pública confirmou, neste sábado (30), a soltura de Cléber José de Souza Braga Júnior, que responde pelo assassinato do professor e suplente de vereador Vandiele da Silva Araújo Rocha, conforme o 7Segundos antecipou na sexta-feira (29). O acusado é assistido pela defensora pública Luíza Alves e a revogação da prisão preventiva foi concedida pela Justiça devido o excesso de prazo para a conclusão do inquérito policial.

Vandiele foi assassinado a facadas no dia 30 de agosto, durante uma bebedeira em sua casa. Dois jovens que a vítima havia conhecido horas antes e que estavam na residência da  vítima foram identificados por imagens de câmeras de segurança em um posto de combustíveis onde estiveram antes de seguir para a casa do professor e foram identificados como Cléber José de Souza Braga Júnior e Wallaph Magno Almeida de Souza, que se apresentou à polícia e alegou inocência, dias depois.

Cléber Júnior foi preso em Praia Grande, São Paulo, no dia 18 de setembro e, ao ser trazido para Arapiraca, concedeu entrevista para a imprensa dizendo que Wallaph desferiu os golpes que mataram o professor, roubou o carro e o ameaçou de morte caso ele o denunciasse à polícia. Cléber alega que, por medo das ameaças e por receio de ser preso novamente - porque já respondia em liberdade pelo crime de tráfico de drogas - resolveu fugir.

A defensora pública Luiza Alves solicitou a liberdade provisória para o assistido, levando em consideração o fato dele possuir residência fixa e de não haver fundamento para a manutenção da custódia cautelar (garantia da ordem pública econômica; conveniência da instrução criminal; garantia da aplicação da lei penal). 

“A medida cautelar só deverá prosperar diante da existência de absoluta necessidade de manutenção e caso subsistam os dois pressupostos basilares do provimento cautelar. O requerente não praticou, em nenhum momento, qualquer conduta objetivando atrapalhar ou obstruir as investigações. Não ameaçou testemunhas, nem tentou ocultar ou destruir provas, o que demonstra o seu firme propósito em contribuir para a busca do real. Desnecessária, portanto, a sua prisão por conveniência de instrução criminal”, apontou a defensora. 

Inicialmente, o magistrado negou o pedido, apesar do inquérito não está concluído. Na ocasião, o magistrado concedeu mais dez dias à autoridade policial para a conclusão do inquérito, no entanto, não houve finalização. 

Em sua decisão favorável à revogação da prisão preventiva, o magistrado relembra que “a 8ª Vara está abarrotada de inquéritos, pedidos de busca e apreensão, interceptação telefônica e prisões temporárias protocoladas há mais de 5 anos, sem que a autoridade policial tenha a cortesia de informar quando pretende encerrar os trabalhos de investigação”, pontua.

Cléber Júnior deixou a Casa de Custódia na sexta-feira, mas terá que cumprir medidas cautelares, como o comparecimento mensal em juízo, proibição de se ausentar da comarca sem autorização judicial, proibição de frenquentar bares, casas de shows e similares, recolhimento domiciliar a partir das 19h, monitoramento eletrônico, com raio de distância de 200 metros de sua residência. 

Arapiraca caso vandiele Cléber Júnior Defensoria pública homicídio inquérito policial justiça Polícia Civil professor Vandiele revogação de prisão wallaph

Veja Também

Comentários