sem reforma

Crianças Tingui-Botó estudam em salas de antigo posto de saúde na aldeia em Feira Grande

Lideranças aguardam há 17 anos que Estado faça reforma em escola da comunidade

POR: 7 Segundos
Estrutura de sustentação da Escola Indígena Tingui-Botó pode desabar há qualquer momento
Cortesia

Trinta e oito crianças da aldeia Tingui-Botó, no município de Feira Grande, estão estudando em salas de aula improvisadas no antigo posto de saúde, que foi desativado após a construção de um novo na comunidade. Há seis meses, as lideranças indígenas passaram a proibir que pessoas circulem no imóvel onde a escola funcionava.

"Tivemos que tirar as crianças de dentro da escola porque estava realmente caindo aos pedaços e tivemos que colocá-las para assistir aulas no postinho velho, que está todo rachado e insalubre. A ordem das lideranças é para não andar perto da escola, porque pode cair a qualquer momento", afirmou Marcelo Tingui-Botó, explicando que mesmo assim, a comunidade continua mantendo a limpeza no imóvel, "para não ficar abandonado", justifica.

Segundo ele, a precariedade da estrutura física da Escola Estadual Indígena Tingui-Botó é motivo de preocupação na aldeia há 17 anos e, apesar de várias promessas, a reforma nunca aconteceu. O indígena conta que algum tempo atrás, engenheiros da Secretaria de Estado da Educação fizeram uma vistoria na escola e a comunidade ficou esperançosa, mas os prazos não foram cumpridos.

"No dia 24 de outubro houve uma reunião com Luciano Barbosa [secretário estadual de Educação] para tratar da nossa e de outras escolas, porque outras aldeias estão na mesma situação e, em algumas, sequer foi construída escola. Na reunião, estipularam que entre outubro e novembro as obras começariam, mas até agora, nada", disse.

As 38 crianças da comunidade indígena estudam em turmas multiseriadas, em que alunos de séries diferentes dividem o mesmo espaço de sala de aula e a professora se desdobra para dar o conteúdo para cada grupo de alunos. Pela manhã funcionam duas salas, uma dividida entre alunos do Ensino Infantil e 1º ano do Ensino Fundamental, e outra pelos alunos do 4º e 5º ano Fundamental. À tarde funciona mais uma turma, do 2º e 3º anos.

"Nós já mandamos vários ofícios para a 5ª Gere [Gerência Regional de Educação], pedindo que providências sejam tomadas. Também já mandamos ofício para o Ministério Pùblico Federal, relatando o descaso. 

A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Estado da Educação e perguntou sobre a situação da escola Tingui-Botó. Eles encaminharam a seguinte nota, reproduzida na íntegra:

"A Seduc informa que as obras vão acontecer. O Estado já reformou 5 escolas indígenas,  construiu outras 2 escolas indígenas e tem uma obra em andamento em Palmeira dos Índios". 

Galeria de Fotos


5ª gere aldeia índigena ambiente insalubre comunidade índigena descaso escola estadual feira grande Gerência Regional de Ensino imóvel condenado Indígenas Índios Ministério Público Fderal paredes rachadas posto de saúde secretaria de estado da educação Tingui-Botó

Veja Também

Comentários