Fiscalização

Arsal e forças de segurança fecham o cerco contra o transporte clandestino de passageiros em Alagoas

Segundo a Arsal, o objetivo é garantir a segurança dos passageiros

POR: 7Segundos com Assessoria
Arsal intensifica fiscalização
Assessoria

Com apoio dos órgãos públicos municipais, estaduais e federais, além das forças de segurança do Estado, a Agência Reguladora dos Serviços Públicos do Estado de Alagoas (ARSAL), vem fechando o cerco contra o transporte irregular de passageiros, não só na esfera municipal, como também intermunicipal e interestadual. Os agentes de apoio da Arsal, que já fazem a fiscalização diária, também atuam em operações em postos fixos e volantes espalhados por todo o Estado.

Quando as operações são realizadas, além da equipe da Arsal, participam da ações agentes das Polícias Civil (PC) e Militar de Alagoas (PMAL), Procon/AL, Ministério Público Estadual (MPE) e a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito, tanto de Maceió, quanto das demais cidades. Há, também, o apoio da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e da Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico (Sinart), que administra os Terminais Rodoviários Maceió, Arapiraca e Palmeira dos Índios.

Na terça-feira (12), por exemplo, uma operação foi realizada em pontos estratégicos de Maceió e Região Metropolitana, onde frequentemente são registrados casos de motoristas particulares, convencionais e complementares fazendo o transporte de passageiros de forma clandestina. Os Batalhões de Policiamento de Trânsito (BPTran) e Policial Rodoviário (BPRv), além do Grupamento de Ações Táticas de Transportes (GATT) deram suporte às abordagens.

O diretor-presidente da Arsal, Ronaldo Medeiros, destacou a importância da operação para a segurança dos usuários dos transportes municipais, intermunicipais ou interestaduais. “Os veículos clandestinos não oferecem segurança nenhuma. Na maioria das vezes, os carros estão sem vistoria e os motoristas inabilitados para o serviço, colocando em risco a vida dos passageiros. Recentemente, participei de reunião com a ANTT, para definir uma ação conjunta mais abrangente de combate a essa prática em todo o Estado".

Os motoristas flagrados fazendo o transporte clandestino de passageiros terão os veículos apreendidos e serão conduzidos à Delegacia Especializada da Polícia Civil. Eles serão enquadrados por executar serviço de transporte de passageiros sem autorização (Código 7702, da Tabela de Códigos e Infrações da Resolução nº 8 da Arsal, de 26 de junho de 2017); por usurpar de uso da função pública (art. 328, §1º do Código Penal); por expor a vida ou a saúde de outras pessoas ao perigo (artigo 132 do Código Penal); por exercer profissão ou atividade econômica sem preencher as condições exigidas para o seu exercício (Art. 47 da Lei das Contravenções Penais) e por estar em desacordo com o Código de Trânsito Brasileiro, que em seu artigo 231 considera infração média o transporte remunerado de pessoas ou bens sem o devido licenciamento, atribuindo-lhe como penas multa e retenção do veículo.

 

Coopervan apoia fiscalização

Na avaliação do presidente da Cooperativa de Transporte Complementar de Alagoas (Coopervan), Marcondes Prudente, não compensa fazer transporte clandestino. “Anteriormente, o Código de Trânsito permitia que o transportador clandestino tivesse seu carro apenas retido. Não era apreendido. Hoje, com a mudança da Lei 13.855/2019, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, o transportador clandestino de passageiros terá seu veículo apreendido e removido ao pátio do Detran. Terá de pagar guincho e multas e o condutor ainda perde sete pontos na sua habilitação,” explicou.

Marcondes se mostrou favorável a fiscalização de combate ao transporte clandestino. ”Quem estiver fazendo transporte municipal, intermunicipal ou interestadual deve estar dentro da legalidade,” defendeu.

 

7Segundos Alagoas arsal Coopervan fiscalização forças de segurança Marcondes Prudente passageiros Ronaldo Medeiros transporte clandestino

Veja Também

Comentários