justiça

Acusados de matar integrante do MST por disputa política vão a júri nesta quarta (30)

Crime ocorreu na cidade de Craíbas em 2003

POR: DICOM TJAL
Decisão judicial
Reprodução

José Francisco Silva, conhecido como Zé Catu, seu irmão Francisco Silva, e João Olegário dos Santos vão a julgamento nesta quarta-feira (30), a partir das 8h, no 3º Tribunal do Júri da Capital. Os réus são acusados de assassinar o integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), Luciano Alves da Silva, conhecido como Grilo, na zona rural de Craíbas, em 2003. A sessão será conduzida pelo juiz John Silas da Silva, substituto da 9ª Vara Criminal da Capital.

O julgamento foi desaforado em 2014 após o Ministério Público Estadual alegar que alguns jurados teriam sido procurados e coagidos a mudar seus votos. Na época, o desembargador Fernando Tourinho de Omena Souza decidiu transferir a sessão para Maceió.

“Levando em consideração que mais de um terço dos jurados alegaram não ter condições de participar da sessão, tendo alguns sido procurados inclusive por pessoas estranhas, objetivando atingir o resultado do julgamento, é totalmente recomendada a alteração do local”, fundamentou na ocasião.

O caso

O crime ocorreu em 7 de setembro de 2003, por volta das 22h, em uma estrada vicinal do Sítio São Gonçalo, zona rural de Craíbas. A vítima teria ido a um bar por insistência de Josinaldo José dos Santos, já falecido. Quando estava saindo do local, foi alvejado por tiros disparados por dois homens em uma moto.

De acordo com o depoimento de testemunhas, Luciano Alves tinha pretensões de disputar o cargo de vereador de Girau do Ponciano. Seu principal adversário seria José Francisco, o Zé Catu. Dias antes do crime, a vítima teria dito a um amigo que morreria por conta de suas posições políticas.

7Segundos Assassinato Craíbas crime Girau do Ponciano juri popular morte MST TJAL Vereador

Veja Também

Comentários