Polêmica

Comunidade israelita condena Exército do Brasil por homenagem a militar alemão

Conib sugere que oficial era nazista; Exército diz que lutou contra nazismo

POR: Poder 360
Militar alemão morto no Brasil em 1968 foi homenageado pelo Exército brasileiro
Reprodução/Internet

A confederação Israelita do Brasil (Conib) emitiu nota, nesta 3ª feira (2.jul.2019), lamentando a iniciativa do Exército brasileiro de homenagear o militar alemão Otto Maximilian von Westernhagen, na última 2ª feira (1º.jul). O major veio ao Brasil em 1966 para participar de 1 intercâmbio de estudos militares no curso da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (Eceme) e, em 1º de julho de 1968, foi assassinado no Rio de Janeiro.

“Estranhamos que, a pretexto de condenar ações armadas no Brasil da década de 60, nosso respeitado Exército Brasileiro tenha decidido homenagear um oficial alemão que, durante a Segunda Guerra Mundial, participou da ocupação da França e da União Soviética, lugares onde as tropas nazistas sabidamente perpetraram crimes contra a humanidade, inclusive e principalmente contra as comunidades judaicas locais. Estranhamos também que a nota não tenha feito menção ao fato de o Brasil ter lutado contra a Alemanha e ao lado dos Aliados naquele conflito. Discutir a História é sempre válido. Mas omitir aspectos fundamentais pode levar a um perigoso revisionismo”, diz a nota.

Texto publicado no site do Exército brasileiro, no entanto, nega relação dele com o nazismo. “O Major Otto também tinha a missão de apresentar ao mundo o valor do Exército da Alemanha, tentando desfazer a imagem negativa deixada na 2ª Guerra Mundial”, diz trecho. Após as críticas, o Exército reiterou a homenagem em sua conta oficial no Twitter.

“Em um intervalo de 5 dias, no ano de 1968, o soldado brasileiro Kozel e o major alemão Otto Von Westernhagen foram vítimas de ações terroristas. Relembramos que ajudamos a derrotar as forças nazistas durante a II Guerra Mundial e enfrentamos o terrorismo durante a Guerra Fria”, diz um dos tweets. “O desconhecimento do processo ocorrido naquele país amigo no pós-guerra, associando a vítima ao nazismo, é lamentável. Recordar esses fatos históricos é reafirmar o nosso compromisso com a liberdade e a democracia”, completou o perfil.

Além da Conib, assinaram a nota de repúdio outros grupos de israelitas brasileiros. Foram eles:

CIAM – Comitê Israelita do Amazonas
FISESP – Federação Israelita do Estado de São Paulo
Federação Israelita do estado de Minas Gerais – MG
Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro
Sociedade Israelita do Ceará
Centro Israelita do Rio Grande do Norte
FIPE – Federação Israelita de Pernambuco
Sociedade Israelita da Bahia
Associação Cultural Israelita de Brasília
Federação Israelita do Paraná
Associação Israelita Catarinense
FIRS – Federação Israelita do Rio Grande do Sul

exército brasileiro homenagem israelita nazismo

Veja Também

Comentários