Acusado de crime

Impeachment de prefeito de Tapera é decidido nesta terça-feira (11)

Vereadores decidem, em votação, se Zé Antônio (PSB) vai perder o mandato

POR: 7Segundos
José Antônio Cavalcante será investigado por irregularidades no Fundo Previdenciário
TRE

O clima é de expectativa em São José da Tapera com a votação do impeachment do prefeito José Antônio Cavalcante (PSB), que acontece nesta terça-feira (11), na Câmara de Vereadores. O político será julgado pelos vereadores pela prática de nepotismo, ao empregar dois irmãos em cargos de fiscalização da administração municipal, e pelo rombo de quase R$ 9 milhões no Instituto de Previdência Municipal, o Iaprev

A sessão que vai decidir pela perda do mandato começa às 9h e prevê, de acordo com a comissão processante, que o prefeito tem duas horas para sustentar sua defesa no plenário do Legislativo. Se, ao final das sustentações orais, nove dos 13 vereadores votarem pelo impeachment, Zé Antônio perde o mantado e o vice, Pedro Soares, conhecido como dr. Pedrinho (PSC) assume o comando do município. 

O político, que até o mandato passado exercia o cargo de vereador e presidente da Câmara também responde a processo judicial relacionado à previdência. Ele e outro ex-presidente do Legislativo tiveram R$ 2,7 milhões em bens indisponibilizados pela Justiça pela dívida da Câmara com o Iaprev.

Para o vereador Professor Márcio (PTB), não há como prever como será a votação. "Sabemos que não é fácil obter 2/3 dos votos de 13 vereadores e, da minha parte, não estou participando de nenhuma articulação de votos. Os vereadores devem votar de acordo com a sua consciência e das provas que foram expostas durante o processo", declarou.

O processo na Câmara de Vereadores tem como base, em uma de suas acusações, a condenação do prefeito Zé Antônio pelo Supremo Tribunal Federal pela prática de nepotismo. Os irmãos dele, Mácio Roberto Cavalcante e Aglaê Cavalcante Pereira Luz, que foram nomeados para o Conselho Fiscal do Iaprev - órgão que gerencia e fiscaliza a aplicação dos recursos da previdência municipal - tiveram as portarias cassadas pelo STF.

A outra acusação contra o prefeito, considerada bem mais grave, está no rombo de R$ 8,2 milhões nas contas do Iaprev, de acordo com o vereador professor Márcio, admitido pelo próprio Zé Antônio, que protocolou, no ano passado dois projetos de lei com o objetivo de parcelar essa dívida e transferir o ônus do déficit previdenciário para os servidores municipais.

"Esse pedido de reparcelamento é uma confissão do prefeito do rombo na previdência municipal. Recentemente ele esteve reunido com os professores do município e pediu para que eles intercedessem, junto aos vereadores, para que o projeto seja aprovado", declarou professor Márcio.

O pedido de impeachment foi protocolado no dia 20 de fevereiro e aprovado no dia 22 com seis votos favoráveis e uma abstenção. Após algumas semanas, a comissão processante precisou comunicar Zé Antônio por meio de publicação no Diário Oficial do Estado, depois de várias tentativas de entregar o comunicado pessoalmente e o prefeito não ser encontrado em seu gabinete.

Zé Antônio nunca respondeu, pessoalmente, às acusações contra ele. Mesmo durante o processo na Câmara de Vereadores, encaminhou um advogado em seu lugar para ouvir as testemunhas e apresentar a defesa prévia do processo. De acordo com informações, até mesmo na sessão que pede a cassação do mandato dele, o prefeito pode encaminhar o advogado em seu lugar. 

Câmara Municipal de São José da Tapera crime de responsabilidade José Antônio Cavalcante nepotismo prefeitura de São José da Tapera processo de impeachment rombo na previdência São José da Tapera

Veja Também

Comentários