Denúncia

Aposentados da prefeitura de Maribondo passam sufoco com benefício atrasado

Segundo inativos, folha salarial dos funcionários da ativa também está atrasada

POR: 7Segundos
Maribondo

Com dois meses de atraso no pagamento da aposentadoria, inativos da prefeitura de Maribondo estão passando por dificuldades. Segundo moradores do município, que denunciaram a situação ao 7Segundos, aposentados e até mesmo servidores da ativa estão no sufoco devido o atraso salarial.

"Algumas pessoas estão passando fome, sem ter nada para comer dentro de casa e sem salário. O mercadinho cancelou o fiado porque ninguém conseguia pagar", afirmou um dos aposentados que entraram em contato com a reportagem. Ela pediu para que o nome dela não fosse publicado porque teme represálias. "Maribondo é a cidade do medo. Todo mundo passando por necessidade, mas ninguém pede uma explicação ao prefeito porque tem medo, o jeito dele é agressivo. Os servidores aqui se sentem perseguidos", afirmou.

Um dos aposentados, cujo salário ajuda no sustento da família do filho, afirma que está perdendo o sono devido preocupado com com a medicação que precisa comprar. "O dinheiro da aposentadoria mal dava para a gente cumprir todos os compromissos, comprar remédios e passar o mês. Agora, ou a gente paga as contas e fica com fome, ou compra comida e não paga as contas. Fico sem dormir pensando o que vai acontecer quando os remédios acabarem, porque não tenho dinheiro para comprar", afirmou.

O atraso salarial é o maior dos problemas para os aposentados da prefeitura, mas não é o único. O décimo terceiro de 2018 foi parcelado em seis parcelas, e o valor, diluído, acaba sendo utilizado no dia a dia. "Quando a gente recebe o décimo terceiro pensa em ajeitar a casa ou comprar alguma coisa que está precisando que  custa um pouco mais. Mas, dividido, e ainda mais, com esses atrasos no pagamento, o dinheiro não dá para nada", reclama.

O secretário de administração da prefeitura de Maribondo, Alberto Pedrosa, que é irmão do prefeito, Leopoldo Pedrosa (PRB) falou com a reportagem e afirmou que, na quinta-feira (30), foi paga toda a folha de abril da Secretaria de Educação e 50% da folha dos aposentados. Segundo o irmão do prefeito, o município de Maribondo vem passando por dificuldades desde a redução do repasse do Fundo de Participação do Município (FPM), principal fonte de receita da prefeitura. 

Com a diminuição do percentual, o orçamento municipal perde R$ 364 mil por mês. O irmão do prefeito afirmou ainda que Lepoldo Pedrosa está tentando, junto ao senador Arthur Lira (PP), retomar o percentual anterior do FPM. Em relação ao parcelamento da aposentadoria, Alberto Pedrosa alegou que a decisão foi tomada de comum acordo com a categoria, diante das dificuldades enfrentadas pelo município.

"Na verdade, essa é a melhor administração que Maribondo já teve. Os problemas que existem, além da redução do FPM, se deve a problemas que vieram de gestões anteriores. Há  vários processos na justiça relacionados a isso", afirmou.

Entre os problemas da gestão anterior, o Alberto Pedrosa falou em folha salarial em aberto, quitada pela atual gestão e o número de servidores "muito acima do necessário". Segundo ele, Leopoldo Pedrosa também acionou o Ministério Público contra seu vice, Carlos Sérgio Marques (PRTB), pelo "desaparecimento" de R$ 5 milhões dos cofres da prefeitura. O dinheiro, que de acordo com Alberto Pedrosa, estava sendo reservado para os meses de menor arrecadação, teria sumido no período em que Serginho ficou como titular da prefeitura, enquanto Leopoldo Pedrosa, que responde a processo por violência doméstica, estava preso por agressão à ex-esposa. 

Nesse período, afirma Alberto Pedrosa, Serginho teria também atrasado uma folha salarial. "Passamos por tudo isso e ainda estamos quase em dias. Mas com fé em Deus as coisas vão melhorar", disse o irmão do prefeito.  

atraso de aposentadoria atraso de salario leopoldo pedrosa Maribondo prefeitura de Maribondo Violência doméstica

Veja Também

Comentários