Disputa

Presidente da Adeal vai tentar trégua entre marchantes e frigoríficos

Além de combater o abate clandestino, Carlos Mendonça pretende por fim ao desentendimento

POR: 7 Segundos
Carlos Mendonça Neto, presidente da Adeal
Ascom Adeal

O presidente da Agência de Defesa Agropecuária (Adeal), Carlos Mendonça Neto afirmou que pretende intervir no desentendimento entre marchantes e frigoríficos e tentar uma trégua entre as categorias. Para o Portal 7Segundos, ele falou que, mesmo extrapolando as suas atribuições, pretende atuar diretamente na situação entre os comerciantes de carnes de Arapiraca e a Frigovale.

"Arapiraca é o local de onde mais recebo reclamações do frigorífico e de marchantes. Na verdade, acompanho a situação desde antes de assumir a presidência da Adeal. Então, quero estar muito presente para fazer esse meio de campo porque se os marchantes não andarem junto com o frigorífico, ou vice-versa, o trabalho da gente vai ser prejudicado. Precisamos atuar em conjunto para resolver esse problema", afirmou.

Carlos Mendonça Neto, que é advogado por formação, explicou ainda que pretende fechar o cerco contra o abate clandestino em Alagoas. Desde que assumiu o comando na Adeal, em janeiro deste ano, já foram realizadas algumas operações nesse sentido e agora está montando um "centro de inteligência", com o objetivo de identificar e combater os principais pontos de abate clandestino em Alagoas.

Em relação o fechamento das barreiras sanitárias para Sergipe, o presidente da Adeal afirma que os comerciantes das feiras de gado de Batalha, uma das maiores do Sertão, e de Campo Grande, vão compreender que a medida é necessária. "É uma determinação do Ministério da Agricultura que está sendo adotada porque Alagoas vai evoluir para zona livre de febre aftosa sem vacinação. Caso essa determinação não seja cumprida, voltaremos a ser zona de risco desconhecido, e isso ninguém quer", declarou.

O advogado explica que Alagoas e Sergipe estão em blocos diferentes na política de combate à febre aftosa e que o Estado vizinho deve demorar cerca de um ano, ou um pouco menos, para alcançar o status de zona livre sem vacinação e, quando isso acontecer, o trânsito de animais entre os dois Estados volta a ser liberado.   

"Vem muitos animais de Sergipe para as feiras de gado. Mas como é uma situação temporária e para o bem de todo mundo, acredito  que não teremos problemas com isso", disse.

abate clandestino Adeal Arapiraca Batalha Campo Grande febre aftosa feira de gado FrigoVale Marchantes Ministério da Agricultura Sergipe

Veja Também

Comentários