Porto Real do Colégio

Divisa entre AL e SE continua bloqueada por indígenas

Segundo manifestantes, protesto não tem hora para acabar

POR: 7Segundos
Protesto reúne índios de todas as tribos de Alagoas
Cortesia

Mais de cinco horas após o início do bloqueio da rodovia BR-101, próximo ao posto da Receita Federal em Porto Real do Colégio, o protesto dos indígenas que impede a passagem de veículos na divisa entre Alagoas e Sergipe não tem hora para acabar.

"Continuamos aqui e a nossa intenção é sair apenas quando a gente tiver a garantia que a saúde indígena não vai ser municipalizada", afirmou Ricaro Campos, líder da aldeia Tingui-Botó, de Feira Grande.

Segundo ele, indígenas de todas as tribos de Alagoas estão presentes na manifestação, que começou por volta de 7h e faz parte de uma mobilização nacional contra a municipalização da saúde indígena. 

Equipes da Polícia Rodoviária Federal estão no local do protesto tentando negociar ao menos a abertura parcial da rodovia, diante do engarrafamento que se formou nos dois sentidos, mas os manifestantes continuam irredutíveis.

O protesto é uma reação ao anúncio feito pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que anunciou no mês passado, que avalia repassar aos municípios e ao Estado a responsabilifade pelo atendimento da saúde indígena, as exceções seriam áreas distantes do Acre e Roraima, cujo atendimento seria mantido pela União. Na prática, essa decisão acaba com a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), que atualmente atende 705 mil indígenas em todo o país.

Com isso, a atenção básica deixaria de existir dentro das aldeias e os indígenas teriam que procurar postos de saúde para atendimento médico. Além da grande distância a ser percorrida em algumas localidades, as lideranças  temem que os índios fiquem desassitidos e que surjam conflitos entre etnias e grupos ligados à política local.

Bloqueio de rodovia BR-101 Porto Real do Colégio protesto protesto indígena Sesai Tingui-Botó

Veja Também

Comentários