desastre ambiental

Lama de Brumadinho é diariamente monitorada para não chegar a AL

Ambientalistas temem que material desague no mar como ocorreu em Mariana

POR: Marcos Filipe Sousa
Barragem da Vale se rompe em Brumadinho
REUTERS/Washington Alves

Cerca de 700 km, este foi o percurso que a lama do desastre Mariana há três percorreu até chegar ao oceano. A mesma preocupação assola ambientalista sobre o ocorrido em Brumadinho, já que um dos rios atingidos foi o Paraopeba, um dos principais afluentes do rio São Francisco.

Entrando em contato com a assessoria de comunicação da Chesf, fomos informados que desde que aconteceu o acidente em Minas Gerais, a Agência Nacional de Águas monitora a velocidade da lama. O Velho Chico nasce em Minas e desagua entre os estados de Alagoas e Sergipe.

O objetivo é de que a lama perca força no decorrer do percurso e chega até a Usina Hidrelétrica Retiro Baixo que fica a  300km do ocorrido. A ANA refez sua análise e estima que levará até quarta-feira (30) para que a onda de rejeito chegue até ela e não prossiga.

Caso não consiga deter os dejetos, a lama percorrerá os cinco estados banhados pelo Rio São Francisco, e na lista estão as cidades alagoanas de Delmiro Gouveia, Olho D'Água do Casado, Piranhas, Pão de Açúcar, Belo Monte, Traipu, São Braz, Porto Real do Colégio, Igreja Nova, Penedo e Piaçabuçu.

brumadinho monitoramento Piaçabuçu Rio São Francisco

Veja Também

Comentários