Movimentação

Funcionários do Google fazem protesto ao redor do mundo contra assédio sexual

POR: Olhar Digital
Google
Baz Ratner / Reuters

Funcionários do Google de todo o mundo deixaram os escritórios e organizaram manifestações em diversos países na manhã desta quinta-feira (01). O chamado #GoogleWalkout é um protesto contra recém-descobertos casos de assédio sexual envolvendo figurões da corporação.

O movimento "Google Walkout for Real Change", que organiza o protesto, diz que mais de 1.500 funcionários (a maioria são mulheres) devem aderir à manifestação em 60% de todos os escritórios do Google no mundo a partir das 11h10 no horário local de cada país.

Nas redes sociais, há relatos e fotos de manifestações em Nova York, Tóquio, Singapura, Berlim, Londres, Dublin e Zurique. Ainda não há relatos de protestos semelhantes no Brasil, mas vamos atualizar esta reportagem se houver novidades. 

Os manifestantes têm seis exigências:

  • fim da arbitrariedade forçada em casos de assédio e discriminação;
  • comprometimento para acabar com a desigualdade de salários e de oportunidades entre homens e mulheres;
  • divulgação pública de um relatório de transparência de casos de assédio sexual;
  • elaboração de um processo claro, uniforme e globalmente inclusivo para que funcionários possam denunciar má conduta sexual de forma segura e anônima;
  • permitir que o chefe de diversidade (Chief Diversity Officer) responda diretamente ao CEO e possa fazer recomendações diretamente ao conselho administrativo;
  • e a nomeação de um representante dos empregados para o conselho.

Motivação para o protesto

Os manifestantes se organizaram após a descoberta de um caso de assédio sexual envolvendo Andy Rubin, o criador do Android. O jornal The New York Times descobriu que Larry Page, na época CEO do Google (hoje chefe da Alphabet) fez um acordo com Rubin para que ele pedisse demissão em 2014, após a denúncia de que ele teria obrigado uma funcionária a praticar sexo oral com ele em 2013.

Page, na época, concordou em pagar US$ 90 milhões a Rubin para que ele pedisse demissão. A história ficou encoberta até hoje. Outro executivo, o ex-vice-presidente sênior Amit Singhal, teria recebido tratamento semelhante após uma denúncia de abuso sexual. Já o diretor do laboratório X, Rich DeVaul, também acusado de assédio, manteve seu emprego após uma "ação corretiva" por parte do Google. Ele pediu demissão nesta semana após a divulgação da história.

Em comunicado, o atual CEO do Google, Sundar Pichai, juntamente com a vice-presidente de recursos humanos, Eileen Naughton, disseram que a empresa já demitiu 48 pessoas por assédio sexual nos últimos dois anos, e que leva esse tipo de denúncia muito a sério. Os executivos, porém, não negaram o pagamento de acordos a executivos demitidos. Andy Rubin nega a história toda.

acusações assédio sexual Google manifestações

Veja Também

Comentários