Para quê?

Haddad não telefona para Bolsonaro após derrota; aliados dizem que ‘não há conversa’

Bolsonaro se recusou a participar de todos os debates com o oponente do PT, chamando-o de "marmita de corrupto preso" na campanha

POR: Jovem Pan
Fernando Haddad (PT) em discurso após resultado das eleições 2018
Reprodução/Ricardo Stuckert

Derrotado no segundo turno da eleição presidencial, Fernando Haddad (PT) não telefonou e, de acordo com aliados, não pretende telefonar a Jair Bolsonaro (PSL), seu rival eleito presidente da República na noite deste domingo (28). Tal ato é considerado praxe em pleitos presidenciais no Brasil.

“Não tem conversa com quem não é civilizado”, disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), um dos integrantes da coordenação da campanha petista. “Ele foi um candidato extremamente agressivo com o Haddad”, acrescentou o deputado estadual eleito Emídio de Souza, outro coordenador da campanha.

Os aliados de Haddad também disseram que não há nenhuma intenção de questionar o resultado da eleição na Justiça Eleitoral. Segundo eles, porém, deve haver cobranças à respeito da investigação de supostas irregularidades na campanha de Bolsonaro, como as denúncias de pagamento de empresas para disseminação de mensagens no Whatsapp.

Em seu primeiro discurso após a derrota, Fernando Haddad não citou o nome de Bolsonaro, mas pediu um minuto de silêncio em homenagem aos defensores dos direitos humanos mortos por motivação política e cobrou ‘coragem’ de seus eleitores para garantir que a ‘democracia seja mantida’ durante os próximos quatro anos.

Brasil eleições 2018 Fernando Haddad Jair Bolsonaro

Veja Também

Comentários