Precatórios

Polêmica: Ministério Público Federal diz que rateio do Fundef é ilegal

Decisão contraria os que defendem que 60% dos recursos seriam para professores

POR: Paulo Marcello com agências
Professores discutiram destinação de precatórios do antigo Fundef
Ascom Sinteal

O Ministério Público Federal (MPF) reafirmou, esta semana, o entendimento de que os recursos provenientes dos precatórios do Fundo de Desenvolvimento da Educação Fundamental (Fundef), atual Fundeb, não podem ter 60% destinados para o rateio entre professores.

A decisão derruba a tese dos que defendem que haja o rateio deste percentual e que o restante (40%) seja para investimentos em Educação, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Alagoas (Sinteal).

O assunto vem sendo amplamente debatido, há meses, e foi criada até uma comissão para debater esse tema na Câmara dos Deputados, que tem como coordenador o deputado João Henrique Caldas, o JHC (PSB-AL).

Em Alagoas, as procuradoras da República, Roberta Bomfim e Niedja Gorete Kaspary, narraram a luta do MPF para obter o compromisso de que os gestores cumpram a obrigação legal de destinar as verbas atrasadas do Fundef para o ensino público no Estado, sem o rateio considerado ilegal.

Nos acordos judiciais e nos Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) firmados pelo MPF com os prefeitos alagoanos, há uma cláusula expressa na qual omunicípio se obriga a não efetuar o rateio, divisão ou repartição dos valores dos precatórios entre os professores. Há exceção apenas em casos em que haja necessidade de pagamento da folha normal e ordinária dos professores da educação básica em efetivo exercício na rede pública.

“Concordamos que a valorização do magistério deve ser contemplado pelos valores que chegam aos municípios por meio de precatórios, mas discordamos quanto à forma. Há professores que possuem créditos junto à municipalidade e que podem ser pagos com estes recursos, assim como situações isoladas de reconhecimento judicial ou administrativo de pendências de ordem salarial. No entanto, hoje o rateio em parcela única não pode ser uma opção porque não há respaldo na lei”, disse Kaspary.

O advogado que representa do Sinteal, Nivaldo Barbosa, pretende apresentar uma nota técnica rebatendo formalmente os fundamentos do TCU. Já o MPF ajuizou ações civis públicas requerendo ao Poder Judiciário a indisponibilidade liminar da integralidade dos valores dos precatórios, a fim de garantir que os referidos recursos sejam destinados à Educação de cada município beneficiado.

Os TACs firmados em 2017 e 2018 preveem mecanismos de fiscalização para garantir a correta aplicação dos recursos, inclusive com previsão de planejamento e cronograma de despesas que englobe mais de um exercício financeiro, conforme orientação do Tribunal de Contas da União.

 

Alagoas educação Fundeb Fundef justiça MPF precatórios Professores Sinteal TACs TCU

Veja Também

Comentários