Triste destino

Ex-jogador preso por tentar matar a esposa atuou no ASA

Ex-volante vestiu a camisa alvinegra em 1991

POR: Claudio Barbosa
Ex- volante Sidnei em evento da Ferroviária-SP
Reprodução

Uma notícia chamou atenção esta semana: a Justiça da cidade de Araraquara (SP) condenou o ex-jogador da Ferroviária, Sidnei Alástico, a 18 anos de prisão em regime fechado por tentar matar a ex-mulher, Néa de Lima Sartori, enquanto ela dormia. O caso aconteceu em julho do ano passado e foi motivado devido a uma suposta traição. A defesa do ex-jogador prometeu recorrer da decisão, que é em primeira instância.

Sidnei era volante e teve passagem pelo ASA em 1991, de acordo com informação confirmada ao portal 7 segundos pelo comentarista Josenildo Souza, que era dirigente do clube à época. Ele lamentou a situação e o destino do ex-atleta.

Sidnei, que vinha trabalhando como pintor, mantinha um relacionamento com a secretária há 11 anos. Ele, inclusive, ajudou a criar as duas filhas do primeiro casamento da mulher. De acordo com as investigações da Delegacia de Defesa dos Direitos da Mulher, o crime teria sido premeditado, ressaltando que a vítima nunca havia prestado queixa contra o ex-companheiro.

A carreira

De acordo com o site oficial da Ferroviária, Sidnei Alástico nasceu em Araraquara no dia 22 de agosto de 1962.Na adolescência foi levado pelo consagrado atacante Careca para Campinas, a fim de realizar testes no Guarani. Mas não permaneceu no clube, voltou para casa, foi para a Ferroviária, onde em 1980 o volante foi profissionalizado.

Em 1986 defendeu o Rio Branco(ES) na disputa do Nacional e teve uma boa passagem. Em 1987, voltou a Ferroviária e na disputa do campeonato paulista fraturou a perna numa partida contra o São Bento.

Voltou a atuar pela Ferroviária em 1989, depois defendeu a Internacional de Bebedouro-SP, Palmeiras de São João da Boa Vista e o ASA de Arapiraca. Mas prematuramente- aos 28 anos- encerrou a carreira por falta de motivação.

Galeria de Fotos


ASA esposa ferroviária Sidnei tentativa de homicídio volante

Comentários