Lavador de carros aparece no próprio velório e causa correria e desmaios


Um corpo caído na rua logo é reconhecido pela vizinhança. Era o lavador de carros Gilberto Araújo, de 41 anos, que vivia mais nos locais onde trabalhava e vinha pouco em casa.

A polícia de Alagoinhas, na Bahia, veio, fez os registros da morte e entregou o corpo para a família fazer o velório. Só que um amigo encontrou o lavador Gilberto Araújo e contou que o corpo dele estava sendo velado. Gilberto, respondeu rápido: mas eu estou aqui, vivinho, me belisca, pra ver.

Resolveu ir em casa, verificar aquela estranha confusão. Chegou e já entrou na sala, provocando gritaria, desmaios e muita correria, daquele povo que chorava e rezava pela alma do morto que estava ali, vivo.

O que estava no caixão realmente era muito parecido com Gilberto, daí toda a confusão. Depois do susto, o corpo foi entregue para a polícia, que agora vai ter o trabalho de identificar o morto e localizar a família dele.

Nos bares e nas rodas de conversas de Alagoinhas, esse vai ser o assunto de muitos dias.


Comentários