Cláudio André

Poeta, radialista profissional e escritor. Membro Efetivo da Associação Alagoana de Imprensa, Diretor-Executivo da Associação de Blogueiros de Pernambuco - ABLOGPE, Membro da Comissão Nacional da Blogosfera. Tem Onze livros de poesias e crônicas publicados. Premiado Pelo Ministério da Cultura em 2009 com o Projeto Cultural Minha Imaginação é um Poema. Estudou Radiojornalismo, Francês e Filosofia. Membro efetivo da Associação Alagoana de Imprensa Reg.678 Fundador da Rádio Olho d'Água FM

A Rádio Farol em Palmeira e sua decadência profissional

POR: Redação

Foi publicada no Facebook, foto da cadeira que senta os apresentadores da emissora. Uma vergonha! Uma falta de respeito com quem trabalha por lá. O jeito é fazer uma "vaquinha", para compra um novo assento. Infelizmente, a atual gestão da rádio que tem a frente o vereador Val Basílio, a cada dia afunda a emissora. O referendado vereador pode entender de legislativo, mas, de administração de emissora é reprovado em todas as instâncias.

Esses problemas já eram visualizados quando passei seis meses de 2015, defendendo aquele prefixo. A partir da divulgação da situação da cadeira principal de assento que fica no estúdio, virou um série de piadas pelas redes sociais.

Vamos fazer umas perguntas? Para onde vai o faturamento da emissora? A rádio não tem condições de comprar uma cadeira, mas, está pagando os funcionários em dia? Qual é a empolgação de um profissional de rádio "que se preze", para trabalhar numa emissora assim? A Rádio Farol de Palmeira dos Índios, vai melhorar quando mudar de direção.
 Essa é a verdade, doa a quem doer. A emissora está desprezada. Está nas mãos de quem não sabe o que rádio. Cadê o tão badalado Sindicato dos Radialistas de Alagoas, que sabe cobrar as carteirinhas todos os anos dos associados? Em Palmeira, o rádio está abandonado pelo sindicato. Tem muita gente no ar sem carteira assinada. Tem muita gente no rádio comprando horários e tomando espaço de profissionais. Tem rádio que vende horários sem nenhum tipo de fiscalização. O piso do radialista é ignorado por certas e determinadas emissoras. Para você ter ideia, tem radialista aposentado ainda trabalhando...Com diz um amigo meu: paciência, filho de Deus, paciência...

Lamentavelmente, a rádio Farol de maneira especial, está se acabando, sem credibilidade, sem programação que preste, sem condições de trabalho para os profissionais que ainda resistem as dificuldades.
Essa a situação do rádio palmeirense. Falo e escrevo com propriedade, por que trabalhei durante 16 anos no rádio palmeirense. Conheço essa situação como as palmas de minhas mãos. Que as autoridades competentes, dentro de suas atribuições, tentem mudar essa infeliz situação.
 

Comentários