Cláudio André

Poeta, radialista profissional e escritor. Membro Efetivo da Associação Alagoana de Imprensa, Diretor-Executivo da Associação de Blogueiros de Pernambuco - ABLOGPE, Membro da Comissão Nacional da Blogosfera. Tem Onze livros de poesias e crônicas publicados. Premiado Pelo Ministério da Cultura em 2009 com o Projeto Cultural Minha Imaginação é um Poema. Estudou Radiojornalismo, Francês e Filosofia. Membro efetivo da Associação Alagoana de Imprensa Reg.678 Fundador da Rádio Olho d'Água FM

O rádio de Palmeira continua sendo um poço de falsidade e opressão

POR: Claudio André

O radialista Djalma Lyma que também é editor do Portal Todo Segundo, após divulgar pesquisa eleitoral, onde aponta a liderança do vereador Júlio Cézar, nas intenções de voto, recebeu uma ligação da direção da Rádio Palmeira FM, onde ele esteve trabalhando até hoje.

Isso porque, o recado dado pelo Arivaldo Maia, foi bem suscinto: "Djalma, não precisa mais vir pra rádio não"!
Essa perseguição ao nobre radialista é costume por parte da emissora, aonde já fui vítima também. Infelizmente, o rádio de Palmeira a cada dia se torna num poço de opressão e de falsidade. Para ficar no ar, no rádio palmeirense, tem que fazer as vontades de seus donos ou obedecer determinação dos "babão de dono de rádio". Radialista que preza pela ética e independência, é perseguido e recebe recados no estilo que Djalma Lyma recebeu na manhã de hoje.

A opressão contra radialistas em Palmeira dos Índios, acontece há muito tempo. O rádio de Palmeira paga muito mal aos profissionais, isso quando ainda paga. Palmeira dos Índios é a cidade que mais gera grandes nomes para a radiofonia alagoana, que o diga a cidade de Arapiraca. Basta ver a quantidade de profissionais de sucesso no rádio arapiraquense, ambos, filhos de Palmeira. Vou citar alguns nomes: Ricardo Lima, Dinha Lane, Saulo, Jackson Tigre, Jouber Melo, Marilene, Diva, Ariana Guedes, José Rocha, Jairo Campos e tantos outros.

O profissional que se preza e que deseja crescer na carreira, tem que sair de Palmeira, senão morre de fome. Infelizmente, existe um Sindicato de Radialista no estado que é obsoleto, não faz nada pelos profissionais de rádio em Palmeira dos Índios. Essa é a realidade da radiofonia  da terra do Amor.

O que aconteceu com o meu amigo e irmão, Djalma Lyma, aconteceu comigo e tantos outros. Em Palmeira, radialista bom é radialista puxa-saco, babão, fazedor de média com os patrões.

O profissional que se respeita não aceita essas opressões. Escrevo com propriedade por que conheço todas as emissoras da cidade. Sei como é a política funcional de cada uma.

Aqui registro minha solidariedade ao radialista Djalma Lyma. Tenho certeza que serás reconhecido pelo seu profissionalismo e independência, pois, com muito brilhantismo criou um dos melhores portais de notícias do estado de Alagoas.
Sei que vai ter gente que vai vestir a carapuça e não vai gostar, não tem problema, falei tão somente a verdade.

Comentários